27 Novembro 2009

Reflexão CLC_7

Reflexão elaborada por Anabela C. Botinas - grupo C-08


Falar sobre o ser humano é falar sobre cultura. Tanto quanto se sabe, é o único ser produtor de cultura, ou parafraseando um pensador, o homem é um produto produtor de cultura, entendendo-se como cultura toda a acção transformadora, toda a intervenção intencional do homem no espaço natural.
Todo o modo de estar do homem na natureza é adaptado, transformado, recriado, artificial – o homem procura as melhores condições de adaptação ao meio para o seu equilíbrio.
Por outro lado, há um outro facto incontornável: o ser humano é um ser gregário, vive em grupo e foi essa necessidade, que se transformou numa característica genética, que o levou a criar formas de comunicação (de pôr em comum com vista a gerir as relações de proximidade e hostilidade) com os seus pares, com os seus semelhantes. Esta necessidade levou-o a criar formas simbólicas de se relacionar, aquilo a que se chama linguagem – os gestos, a expressão corporal, os símbolos, as vocalizações, fonemas e palavras que constituem as actuais línguas.
A linguagem é um leque de vastas formas de expressividade humana e que representam a cultura humana.
A cultura e a linguagem são indissociáveis: cada cultura tem a sua língua, os seus hábitos, as suas regras e as suas características específicas. É a cultura que torna as comunidades, os homens diferentes entre si.
Em sentido estrito e equívoco, a cultura acaba por ser um conjunto de artes que expressam os pensamentos e as emoções : a literatura, o teatro (de que é exemplo a ida ao teatro da Trindade - uma obra de arquitectura onde se representou um dos grandes clássicos de literatura portuguesa, “Os Maias” de Eça de Queirós – arquitectura, cinema, a dança, entre outras (ditas sete artes, que já são mais).
Neste módulo tive a oportunidade de recordar conteúdos que já havia estudado enquanto frequentei o ensino secundário.
Foi uma experiência positiva, e alargou (para além da recordação) os conhecimentos, pelo que manifesto o meu agrado.

Sem comentários: